terça-feira, 11 de agosto de 2015

DÉCIMA PRIMEIRA EDIÇÃO DE O BOM & VELHO FAROESTE É O 'CANTO DE CISNE' DA JÚPITER 2

A décima primeira edição de O Bom Velho Faroeste mais uma vez apresenta aventuras inéditas de dois dos mais brasileiros dos personagens do faroeste: Flecha Ligeira e Cavaleiro Negro (anteriormente eles já apareceram aqui http://www.jupiter2hq.blogspot.com.br/2011/06/heroi-do-velho-oeste-e-atracao-do.html, aqui http://www.jupiter2hq.blogspot.com.br/2013/03/flecha-ligeira-retorna-em-aventura.html e aqui http://www.jupiter2hq.blogspot.com.br/2014/09/o-bom-velho-faroeste-apresenta-os-mais.html). Cada um com duas HQs distribuídas nas 32 páginas desta edição que é o derradeiro lançamento da cooperativa Júpiter 2 – e fico imensamente feliz que estejam aqui presentes tanto Adauto Silva (o autor da capa, relembrando o traço do grande capista da Rio Gráfica e Editora/RGE, Walmir Amaral de Oliveira – que foi, a propósito, colega de Adauto Silva na RGE nos anos 70, quando Adauto usava uma cabeleira de fazer inveja aos Rolling Stones!), quanto José Menezes, co-autor e ilustrador de todas as histórias, ele que só desenhou menos HQs do Flecha Ligeira do que o próprio Fred Meagher! Dois artistas que brilharam na inesquecível RGE, que encheu de gibis os deslumbrados jovens leitores de várias gerações – a minha incluída, só não podia prever naquela época que um dia eu viria a ser parceiro de trabalho desses dois grandes artistas dos Quadrinhos brasileiros. Os autores das histórias presentes nesta edição, sabedores da dificuldade de ser original diante de tudo que já foi produzido com estes personagens, limitaram-se a manter o que poderíamos chamar de ‘espírito’ da época em que as histórias do Cavaleiro Negro e do Flecha Ligeira eram lidas mensalmente, por centenas de milhares de leitores – brasileiros, principalmente. Quando as Histórias-em-Quadrinhos ainda não haviam sido contaminadas com a malícia da cultura underground, e posteriormente pelas perversões de Alan Moore, Neil Gaiman e cia., que acabaram por gerar uma atual geração de roteiristas abomináveis, que trataram de ferir de morte as HQs, despopularizando-as, elitizando-as de forma pedante e idolátrica, como acontece hoje com os decadentes super-heróis norte-americanos dos Quadrinhos. A Júpiter 2 foi uma tentativa de combater tudo isso, todo esse lixo moral em que se transformaram as Histórias-em-Quadrinhos. Foram ótimos esses dez anos de existência do selo smeditora, depois chamado Júpiter 2. Valeu a pena mesmo, ótimas parcerias resultando em quase duas centenas de gibis, e, pelo que já foi vendido e distribuído até hoje, cerca de 70 mil edições circulando por aí. Quem criticou ferozmente desde o começo, que faça melhor. Chegamos a incomodar, sendo objeto de escárnio de alguns ‘grandões’ da mídia como o HQ Mix e a revista Mundo dos Super-Heróis – que deveria de uma vez por todas mudar o nome para Mundos dos Super-Heróis Marvel e DC! Que ridículo ver gente com mais de 40 anos bajulando filmes ruins como esses que vem sendo feitos dos asquerosos super-heróis norte-americanos dos Quadrinhos!
Bem, mas estes assuntos já não me interessam mais. Me despeço avisando que não estarei mais atualizando o blog nem nada, se o blogger tirar do ar, tirou. Mas ainda tenho disponível a maioria dos títulos publicados ao longo dos dez anos de atividades editoriais, e vou continuar atendendo pedidos de interessados através do email smeditora@yahoo.com.br


E por enquanto é só, pessoal... (JS)

5 comentários:

Comic-book artists and advertising. disse...

Parabéns pela iniciativa e luta, A Jupiter 2 deixara saudades meu irmão amigo. Novas fronteiras te esperam adiante e serão facilmente vencidas por você, com a experiência adquirida e com sua alma de guerreiro. Agradeço a oportunidade de participar de sua equipe que já fez história( com "H" maiúsculo ). Grande abraço e descanse, um pouco, pois novas batalhas te aguardam, meu amigo

Lancelot disse...

Amigo JOSÉ SALES,só tenho a parabenizá-lo por toda esta empreitada nesta seara que o Quadrinho Brasileiro. Dizer que bebi em sua fonte e absorvi tanta maravilha criada por voce, nos brindando, oportunizando, dando a conhecer outras tantas criações fantásticas e autores. Acho que nós que recebemos de sua lavra, suor e dedicação, tanta coisa feita com esmero e desprendimento todo particular, sem nada ter de retorno que não seja a sua satisfação de apenas,e tão somente isso, PARTILHAR sem nenhum escambo o que faz, nos resta a agradecer. Fico feliz em tê-lo conhecido neste meio. Posso dizer que o que se aplica a João se aplica a voce: UMA VOZ QUE BRADA NO DESERTO (de idéias, de atitudes, de ação, etc.)...Mas, como tal, muito desse caminho está calçado por suas idéias, ações e atitudes reais, preparando o caminho para quem ousar assim o fazê-lo. Não é fácil, fazer o que fez e FEZ! Parabéns meu amigo SALLES!
Seu mano
Lancelott

Jean Carlos disse...

José, você é o cara. Baita orgulho de ser seu amigo! Só tu mesmo para, na última crônica deste Blog, cair matando de peito aberto em todos esses imbecis que ao longo das últimas décadas vem matando os quadrinhos de forma impiedosa e sistemática, e puxando o saco do que há de pior na humanidade: o esquerdismo, o relativismo, o politicamente correto.
Viva a Júpiter II, a melhor editora de quadrinhos brasileiros que este país já conheceu!
E a DC, a Marvel, o HQ Mix e a revistinha Mundo dos Super-Heróis que se explodam!
Estamos juntos!

Denilson Reis disse...

Amigo Salles! É com muita tristeza que recebo esta notícia. Nos últimos anos a Júpiter II passou a ser a minha editora do coração. Tenho todas as edições que você lançou, as mais recentes ainda espero receber, e estarão em destaque na minha coleção. Espero que o amigo encontre um bom caminho pela frente e que nossa amizade continue firme e forte. Abração!

Schmidt Tvalenha disse...

Olá, caro amigo José Salles se assim me permite chamá-lo, parabéns pelas postagens e matérias publicadas. Atualmente eu concordo em tudo descrito pelo amigo, mas há pelo menos 40 anos atrás no minimo...eu não perdia uma só publicação dos heróis Marvel da EBAL, incluindo é claro, toda a galeria de títulos incríveis que eram novidades para mim até então. A editora O Cruzeiro com seus personagens de Hanna-Barbera (meus favoritos), me trouxeram e ainda me fazem correr atrás de quadrinhos antigos da época, rs. Da DC, a EBAL também se notabilizou pelas clássicas histórias e capas apresentadas por artistas brasileiros, como é o caso do saudoso Edson Rontani (o primeiro Fanzineiro que adorava Flash Gordon), aqui da minha querida Piracicaba-SP. Meu primeiro herói brasileiro foi Inspetor Carlos, o Vigilante Rodoviário, também teve seu gibi, publicado pela editora Outubro, comandada por Jayme Cortez e Miguel Penteado. A revista era desenhada por Flávio Colin e, depois, por Osvaldo Talo, enquanto que os roteiros eram de Gedeone Malagola e, posteriormente, de Talo e Helena Fonseca. As capas ficaram por conta de Jayme Cortez e Talo. Depois veio Raio Negro entre tantos outros clássicos brasileiros. Bons tempos. curto demais Flecha Ligeira e Cavaleiro Negro, tenho várias edições e gostaria de saber mais informações para obter essas edições. Outra coisa e motivo de chegar até aqui: - MAIZENA MAGQAZINE, FOI PUBLICADA PELA SM....HOJE JÚPITER II??? è uma dúvida que trago comigo e gostaria de esclarecimentos maiores a respeito....grande abraço e vamos mantendo contato.