terça-feira, 2 de agosto de 2011

HOMEM LUA É O DESTAQUE NA 13a. EDIÇÃO DO RAIO NEGRO

Assim como aconteceu no número anterior, nesta edição de Raio Negro Super-Herói o destaque é o Homem Lua, sendo reapresentada sua primeira aventura, que foi lançada originalmente em Raio Negro Super-Herói n.1 pela Gráfica & Editora Penteado (GEP) por volta de 1965 ou 1966. De acordo com depoimento do próprio autor Gedeone Malagola numa entrevista a Worney Almeida de Souza publicada na revista Mestres do Terror n.38 (de 1986) da Editora D’Arte de Rodolfo Zalla (e confirmado por Gedeone no fanzine comemorativo dos 40 anos do Raio Negro, lançado em 2004), a intenção ao criar a história da origem do Homem Lua era para dar início a um gibi próprio deste personagem, conforme havia lhe pedido o diretor artístico da GEP na ocasião, Jayme Cortez. Acontece que o grande capista não gostou do Homem Lua, e pediu a Gedeone que criasse rapidamente algum outro herói, e para isso repassou-lhe alguns comics dos revitalizados personagens da DC Comics, The Flash e Green Lantern da Era de Prata. Daí Gedeone criou rapidamente o Raio Negro (mais especificamente, a história republicada no número 11 da coleção da Júpiter II). Hoje em dia é fácil apontar o dedo e acusar os artistas brasileiros do passado de “plagiadores”, como repetem constantemente os furiosos e rancorosos inimigos da HQ brasileira, espalhados pela internet. Mas penso que tudo deve ser analisado com mente e coração voltados para o passado, com as características e necessidades do mercado editorial da época, muito mais dinâmico e diversificado, produção muito mais intensa, quando era senso comum imitar os personagens estadunidenses dos comics, que eram os mais vendidos nas bancas. Por isso a vilã que o Raio Negro enfrenta na aventura desta edição, não é lá muito original, também. A propósito, não consegui descobrir em qual número do Raio Negro da GEP esta história foi publicada, o certo é que foi republicada na edição especial lançada pela Editora Grafipar, por volta de 1982. A capa que vocês viram acima é do maranhense Zílson "Zeck" Costa, o intrépido autor do Homem-Caveira. (JS) smeditora@yahoo.com.br

3 comentários:

rod_gonzalez disse...

Olá amigo José Salles, parabéns por mais um lançamento da editora Júpiter 2 e pela continuidade no gibi do Raio Negro, ora com hqs inéditas, ora com as clássicas, que é o caso dessa edição.
O Homem-Lua é um personagem que desperta a paixão nos fãs do super-herói nacional e o ódio em seus inimigos. O personagem apareceu pela 1a vez em 1963 em uma matéria da Folha de São Paulo sobre a Lei dos Quadrinhos, que os autores da época tinham conseguido aprovar, fato que foi mencionado pelo Ota no orkut.
Aproveito a ocasião para repetir um trecho de uma matéria sobre o Gedeone Malagola que escrevi certa vez e que foi repetido em diversos sites e blogues da internet.

rod_gonzalez disse...

''Gedeone Malagola era muito fã do Fantasma, e até já tinha se encontrado com Lee Falk. Existem até mesmo fotos que circulam na net mostrando o encontro. O Fantasma é o responsável direto por duas criações do Gedeone.

Homem-Lua

Na década de 1960, a RGE era a editora que publicava os gibis do Fantasma no Brasil. O personagem fazia tanto sucesso, que as vezes não tinham material original pra publicar. Foi nessa brecha que muitos artistas brasileiros tiveram oportunidade de fazer hqs do Fantasma. Saiba mais sobre o "Fantasma brasuca":
http://www.universohq.com/quadrinhos/2005/hq_Fantasma.cfm

Gedeone Malagola provavelmente era o artista que mais trabalhava na época, porque além de desenhar também era muito requisitado roteirista. Mas uma bronca que ele tinha foi que nunca uma hq sua do Fantasma foi publicada pela RGE. E ele tentou, por duas vezes.
A primeira vez foi no final de 1962. Por sua própria conta Gedeone escreveu e desenhou uma hq do Fantasma e mandou pra editora RGE. Ele tinha um certo nome, e confiou nisso. Pois muito bem, a hq foi rejeitada!
Pra nossa sorte, Gedeone conseguiu os originais de volta, o que era raro na época. Foi o destino. Em uma tarde de janeiro 1963, Gedeone apagou a cabeça do Fantasma, e com uma moeda, desenhou um globo translúcido no lugar da cabeça. Pronto! Estava criado aquele que era o seu personagem "xodó", o Homem-Lua!

Gedeone adorou o personagem e ficou feliz com o resultado. Procurou então Jayme Cortez. Queria lançar o gibi do Homem-Lua! Só que o Jayme não gostou nem um pouco e recusou o personagem. Gedeone ficou bastante chateado, pois tinha gostado mesmo do personagem.
Cerca de 1 ano depois Jayme procurou o Gedeone novamente. A onda agora eram super-heróis com aventuras bem mais vibrantes que aquelas do Fantasma, o pique era outro! Ele pegou umas revistas importadas do Flash e do Lanterna-Verde e deu pro Gedeone: "Copia isso aí, esses personagens nunca vão ser lançados no Brasil!".
Rapidamente Gedeone inventou alguma coisa baseada nos gibis que o Jayme lhe passou, e incluiu na receita o Cometa, personagem dos anos 40 que ele lia no Suplemento Juvenil. Nada a ver com o Ciclope, portanto...
Saiba mais: http://au.geocities.com/quadrinhos_cqb/opiniao24.htm

Estava criado o Raio Negro! Foi a chance da hq engavetada do Homem-Lua, que pasou a aparecer de vez em quando no gibi do Raio Negro.
Mas este não foi o único personagem do Gedeone inspirado no Fantasma.

Silverman

Gedeone não se dava por vencido, queria a todo custo publicar uma hq sua do Fantasma pela RGE. Anos depois da primeira recusa, Gedeone escreveu mais uma hq. Nessa hq, o vilão se arrepende no final, e o Fantasma dá uma de gente-boa e deixa ele ir embora. Mais uma vez a hq do Fantasma feita pelo Gedeone foi rejeitada. Segundo os editores da RGE, o Fantasma original nunca deixaria um vilão partir sem pagar pelos seus crimes, mesmo que ele se arrepende-se depois!
Mais uma vez o Gedeone ficou puto, mas não jogou a hq fora, de posse dos originais, aproveitando o que já tinha feito com o Homem-Lua, mudou ligeiramente o uniforme do Fantasma e criou o Silverman. Ele pretendia publicar no gibi do Raio Negro, mas este foi cancelado e essa hq permanece inédita até os dias de hoje!
Essa hq constava nos originais da enciclopédia "Uma Jornada nos Quadrinhos", que infelizmente também não foi publicada!

Gedeone me contou tudo isso na sua casa em Jundiaí. Tenho tudo gravado em uma fita, que eu pretendo colocar na internet. Inclusive esse dia eu tive a oportunidade de ler a hq do Silverman e ele ficou de me dar uma cópia da sua enciclopédia "Uma Jornada nos Quadrinhos", numa próxima visita que eu faria para ele. Acontece que o tempo foi passando e eu acabei não voltando mais lá em tempo.''

Miguel disse...

rod_gonzalez , grato pelos relatos
José Salles , grato por deixar acesa a chama com essas publicações e republicações
"Gedeone Malagola" , o sr. não será esquecido nunca , esteja onde estiver....